• A Normose, a doença da normalidade

    liberdade borboletasNormose, termo criado pelo educador e psicólogo francês Pierre Weil – criador da Universidade Internacional Paz (UNIPAZ), é a definição para o conjunto de normas, conceitos, valores, esteriótipos, hábitos de pensar e agir considerados consensualmente “normal”, mas que causam sofrimento, doenças ou morte, sem que no entanto seus agentes estejam conscientes de sua natureza patológica ou letal.

    Existe uma crença no inconsciente coletivo que diz a todos que o que a maioria pensa, sente, acredita ou faz é o padrão a ser seguido, agindo todos como se fossem robôs sem razão e discernimento.

    O que se tem percebido é que muitas normas sociais atuais ou passadas, levam ou levaram ao sofrimento físico ou não de indivíduos ou de grupos.

    Em inglês existe um termo dito, “awareness” que significa estar presente, consciente e ter percepção do que está acontecendo.

    A ideia errônea de separatividade de um indivíduo com outro, com o meio e com o Criador é que talvez seja uma das principais causas de sofrimento e dor, pois leva este indivíduo a sentir medo e raiva, gerando angústia, ansiedade, depressão e pânico.

    É de se esperar que ao seguir as normas sociais um indivíduo seja feliz e saudável, mas isso não acontece, pois diversas normas atuais são patológicas.

    Por exemplo: criticar tudo e todos, assistir noticiários muito violentos ou programas muito fúteis, fumar, beber sistematicamente, cirurgias plásticas desnecessárias, consumismo desenfreado, etc.

    Assim a sociedade traz uma neurose coletiva que não permite que ninguém pense ou se manifeste diferentemente do usual, do “normal”.

    Assim, como é mostrado no filme Matrix e explicado pela Física quântica, estamos num movimento de despertar de uma nova consciência, que paulatinamente vai acontecendo com um a um.

    E o que é este despertar? É sair desta neurose coletiva e se perguntar: O que eu quero é o que eu escolhi ou que escolheram por mim? O que estou buscando? O que realmente importa? O que é melhor para mim? E para o Todo? Existe separação entre mim e o Todo?

    Sair da normose é rejeitar esta crença coletiva da normalidade e pensar com autonomia e responsabilidade.

    Seja consciente de suas escolhas e lute por um futuro, onde todos possam estar despertos de suas ilusões, podendo manifestar suas opiniões, habilidades, criatividades, sua luz e sua sombra, sem medo de julgamentos.

    Seja um farol a brilhar na escuridão e logo estaremos todos imersos na luz da Consciência Infinita.

    Myrella Brasil

    Publicado no dia 20 de junho de 2013, no Diário da Manhã

Deixe uma resposta