• O olhar e a janela

    Um olhar de leveza sobre os obstáculos que se apresentam em nossa vida, podem definir um estado real de saúde e de profunda felicidade.

    Os pensamentos mórbidos turvam as paisagens mentais gerando frequências em desarmonia que são transferidas para o corpo físico criando processos enfermiços.

    Vencer estes processos só depende de um único fator, a vontade.

    A vontade pode atuar com intensidade sobre o corpo físico, ativando-lhe a sua sabedoria inata capaz de curá-lo em profundidade.

    Escolher sentimentos de frustração, mágoas, ressentimentos é escolher o estado de doença permanente.

    O pessimista por criar imagens negativas em sua tela mental, está sempre vivenciando experiências perturbadoras. Já os otimistas por criarem imagens suaves e alegres, vivenciam mais harmonia e saúde.

    Estudos no Institute of HeartMath na Califórnia, EUA, mostrou o efeito de sentimentos positivos e negativos no sistema imunológico humano. Um indivíduo sentindo raiva por 5 minutos inibiu a produção de Imunoglobulinas por 5 horas. Ao contrário, outro emitindo sentimento de compaixão pelos mesmos 5 minutos, teve um aumento em sua células de defesa por 6 horas. Imagine o que acontecerá se procurarmos pensar e sentir de forma positiva o dia todo? (http://www.heartmath.org)

    Os pensamentos tem o poder de criar a nossa realidade, por isso escolha bons pensamentos. Você tem o poder de escolher!

    Não há doenças incuráveis, há doentes “incuráveis”!

    Quem acredita ser doente é como se a doença fizesse parte dele, assim como o braço. Então não restando muito o que fazer!

    Já quem tem consciência que está doente, sabe que esta é uma condição passageira e que irá mudar, atenuando assim o peso da enfermidade.

    Imaginemos uma sala em que temos à esquerda uma janela e ao olharmos através dela vemos uma cena triste e comovente e à direita vemos outra com uma cena feliz e bela. É nossa escolha olharmos através de uma ou outra janela, a vida lá fora.

    Nunca fique tempo demais em uma ou em outra, pois se olharmos muito a cena triste talvez percamos as esperanças e se olharmos demais a alegre talvez esqueçamos dos compromissos e daqueles que precisam de nossa ajuda. As vezes é necessário que fiquemos em paz no centro da nossa sala interior, para observarmos uma e outra janela, e vermos que se faz necessária a dualidade em nossas vidas para que aprendamos a ser melhores e mais completos a cada dia.

    Somos luz e sombra, yin e yang, bem e mal, divino e profano, mas o nosso desafio é encontrarmos o equilíbrio no Caminho do Meio.

    Saia da condição de expectador de sua vida para agente causador de uma realidade mais consciente.

    Felizes são aqueles que sabem ler em si próprios as escrituras sagradas e exploram as jazidas que guardam os seus tesouros inestimáveis.

    Myrella Brasil

    Publicado dia 15 de julho de 2012, no Diário da Manhã

Deixe uma resposta