• Somos o que pensamos

    pensador-rodin1Poucos sabem beber nas fontes puras e cristalinas deste grande reservatório de inspiração que cada um traz consigo, mas que infelizmente a maioria o ignora, que é o pensamento genuíno do ser, sem interferências externas.

    A grande sabedoria é aprender a disciplinar os pensamentos, para que eles não sigam rumos indesejados, procurando sempre cultivar os de caráter nobre e digno.

    Os pensamentos traduzem nossa essência. Se trazemos em nosso íntimo uma confusão entre o Bem e o Mal, assim também se apresentam os nossos pensamentos, conturbados e contraditórios, o que se traduzirá em ações igualmente contraditórias.

    Realizar diariamente leituras com conteúdo edificante, de autores que possuam pensamentos nobres, meditando sobre suas palavras, impregnando o seu ser da substância da alma deste autor. Com o tempo, pela natureza das impressões sentidas, acontecerão modificações de seu caráter e assim de sua realidade circundante.

    O belo sempre atrai e gera o belo, e assim o Bem atrai a felicidade e o Mal o sofrimento.

    Medita pois sobre tudo que lê e absorve o sentido profundo das palavras incorporando-o à sua essência, alargando a inteligência e aprofundando a consciência.

    É imprescindível escolher bem o que lê, saboreando cada palavra, pois em geral se lê muito e absorve-se quase nada.

    O estudo silencioso e recolhido é sempre fecundo para o desenvolvimento do pensamento. No estado meditativo a luz de sua essência divina brilha, irradiando a partir de seu centro, para banhar tudo ao seu redor.

    O pensamento é gerado por nossa mente que é uma poderosa fonte criadora da realidade que se manifesta em nossa vida.

    As palavras estéreis enfraquecem o pensamento, esvaziando a alma. Evite as palavras vãs, as discussões infrutíferas, as leituras frívolas, os programas de TV torpes… Interesse-se por assuntos fecundos e prósperos. Não perca seu tempo!

    Não deixe que os ruídos externos da ilusão abafem a sabedoria que vive nas profundezas de seu ser. Não há progresso sem a observação atenta de nós mesmos.

    Este autoconhecimento e o autoaperfeiçoamento devem ser um exercício diário, para dominarmos as emoções, os pensamentos e nossos atos. Saibamos cultuar nosso altar sagrado interior, não deixando que nenhuma contrariedade abale sua estrutura, pois que é nosso refúgio e nossa escola.

    Conhecer para disciplinar. Disciplinar-nos para progredir. Progredir para alcançarmos a plenitude, a felicidade e a paz que tanto procuramos.

    A felicidade não está nas coisas externas, mas somente em nós mesmos, na vida íntima que soubermos criar.

    Myrella Brasil

    Publicado no dia 08 de fevereiro de 2013, no Diário da Manhã

Deixe uma resposta